POLÍTICA DE PREVENÇÃO E PROTEÇÃO AOS TIPOS DE ASSÉDIO MORAL E SEXUAL

POLÍTICA DE PREVENÇÃO E PROTEÇÃO AOS TIPOS DE ASSÉDIO MORAL E SEXUAL

Assédio moral - é uma conduta abusiva, frequente e repetitiva que se manifesta por meio de palavras, atos, gestos, comportamentos ou de forma escrita, que humilha, constrange e desqualifica a pessoa ou um grupo, atingindo sua dignidade e saúde física e mental, afetando sua vida profissional e pessoal.

Violência psicológica – é uma conduta que causa dano emocional e diminuição da autoestima ou prejudique e perturba o pleno desenvolvimento ou que vise degradar ou controlar ações, comportamentos, crenças e decisões, mediante ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, vigilância constante, perseguição contumaz, insulto, chantagem, ridicularização, exploração e limitação do direito de ir e vir ou qualquer outro meio que lhe cause prejuízo à saúde psicológica e à autodeterminação.

Agressão física - qualquer ato deliberado e indesejável que caracterize ofensa à integridade física ou à saúde da vítima como, por exemplo, perfurar, bater, chutar ou queimar. Tal ato também pode consistir de atividade forçada, tais quais o consumo de álcool ou práticas de dopagem.

Assédio sexual - toda a tentativa, por parte de alguém que tenha poder de tomada de decisão ou quem obtenha poder hierárquico sobre o subordinado, visando à obtenção de favores sexuais através de condutas reprováveis, indesejáveis e rejeitáveis, como forma de ameaçar e como condição para continuidade no ambiente esportivo. Também se caracteriza por quaisquer outras manifestações agressivas de índole sexual com objetivo de prejudicar a atividade por parte de qualquer pessoa que integre a delegação, independente do uso do poder hierárquico. O assédio sexual pode assumir a forma de abuso sexual.

Negligência - uma omissão de um treinador ou qualquer outra pessoa com o dever de cuidado para com o atleta e que em função de referida omissão permite que algum dano seja causado ou propicia um perigo de dano iminente.

Para não colocar a segurança e a integridade em risco de colaboradores, membros dos poderes da entidade, membros da seleção paulista e principalmente dos ATLETA, é importante estar ciente deste código de conduta;

normas estabelecidas através do código de conduta do programa:

1. Nunca agredir, abusar (gesto, palavra, atitude) uma pessoa, ameaçando sua integridade física ou psíquica.
2. Não discriminar uma pessoa por razão de sexo, identidade de gênero, orientação sexual, raça, cor, etnia, peso, altura, classe social, habilidade física ou qualquer outra condição.
3. Não Punir uma pessoa por meio de provocação, constrangimento ou qualquer outra atitude que a coloque em exposição.
4. Não usar ameaças ou recompensas (como cargos, uniformes, equipamentos, lanche, etc) para manipular qualquer membro da comissão e principalmente os atletas.
7. Reportar qualquer caso ou suspeita de maus tratos, abuso ou assédio para as autoridades competentes, chefes de missões, uma pessoa mais próxima de confiança.
8. Cooperar total e confidencialmente em qualquer investigação sobre suspeitas ou acusações de assédio e abuso moral e sexual.
9. Não permanecer sozinho(a) em um ambiente fechado e/ou isolado com uma criança/adolescente.
10. Não tirar fotos de crianças, adolescentes e qualquer pessoa sem o seu consentimento ou de sua/seu responsável.
12. Não oferecer caronas para uma criança/adolescente em seu veículo pessoal. Em caso de passeios e/ou eventos, o transporte deve ser feito mediante autorização das/os responsáveis.
13. Nunca solicitar ou aceitar o contato pessoal (isso inclui e-mail, número de telefone e contatos de redes sociais) de qualquer criança/adolescente e nem compartilhar os seus contatos pessoais com elas.
Em casos em que seja estritamente necessário dentro dos objetivos do programa, deve ser autorizado pelas/os responsáveis e comunicado a/ao seu/sua superior na organização.

DENÚNCIA

Qualquer pessoa pode denunciar/relatar o acontecimento, fazendo ou não parte da comissão técnica, atletas ou membros dos cargos executivos.

Os canais de comunicação, através dos quais um suposto incidente de assédio e abuso poderão ser denunciados serão informadas e disponibilizados durante eventos, competições, treinamentos, etc. Podendo ser feitos através de:

Pessoalmente para uma pessoa responsável da comissão técnica;

Por telefone, através da linha 0800 do Canal de Ouvidoria;

E através do e-mail
karatefpk@uol.com.br

SIGILO

Toda e qualquer relato desde o oferecimento da denúncia até a efetiva apuração da mesma, serão sigilosos e serão consideradas informações confidenciais. A Federação Paulista de Karate irá apurar os fatos e tomar as providencias cabíveis.
LOGIN